VISITAS

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

"Contidos" como os dias da semana...

Publicado originalmente a 23 de Abril de 2017
https://baudahistrionia.blogspot.pt/2017/04/contidos-como-os-dias-da-semana.html

Sou candidato à Freguesia das Lavegadas como independente “associado” a um Partido Politico por duas razões:

Um afecto do coração por uma causa nobre

Publicado originalmente a 27 de Março de 2017
http://baudahistrionia.blogspot.pt/2017/03/um-afecto-do-coracao-por-uma-causa-nobre_27.html

Para esclarecer alguns ditraídos, esclareço que a minha candidatura à Freguesia de Lavegadas tem um propósito, um desígnio, uma causa, uma certeza e uma probidade sentimental. Sei das dificuldades que nos aguardam, mas estamos conscientes da mensagem que representamos como Equipa.  Todos temos experiência autárquica e muito em particular consciência da especificidade das Lavegadas.
Tudo pode acontecer. E uma pessoa que se disponibiliza para ser rosto e voz de alguém está consciente que a democracia pode-lhe proporcionar duas causas de intervenção: - a voz aliada à atitude de determinar, propor e prescrever e a voz cúmplice à postura de incentivar, colaborar e denunciar.  E ambos os resultados são a expressão da vontade popular.
Não sou

domingo, 28 de maio de 2017

Podia usar a alcunha dada numa Assembleia Municipal.

Desde que assumi a minha candidatura à Freguesia das Lavegadas que ouço algumas diatribes de índole pessoal e postura cívica. Nada que me surpreenda ou me tire o sono. Sei quem as publicita através de uma postura poltrona e as faz circular. A seu tempo e quando menos o espera terá a oportunidade de as expor olhos nos olhos. Responder-lhe-ei sem perder muito tempo ou com a ênfase que pretende para poder desviar as atenções do que realmente interessa - discutir as Lavegadas.  

Mas, no entanto, vou fazer alguns reparos:

1.     Antes de ser autarca por doze anos usei da mesma postura que usei até agora depois de o deixar de ser. Não aparecia com assiduidade porque não tinha nenhum compromisso assumido com a comunidade das Lavegadas. Com a delegação politica de ser o rosto e voz das Lavegadas permanentemente dei cunho à assiduidade que se exigia. No entanto mesmo “distante” tenho estando atento aos graves problemas que fustigam a nossa Freguesia que poderia ser evitado se fosse levado em boa conta o documento apresentado pelo Executivo presidido por mim, que foi aprovado por unanimidade e assinado por todos os presentes numa Assembleia de Freguesia realizada no ano de 2003.

2.     Como ousa colocar em causa o que foi feito nos meus mandatos impingindo uma amnésia esponjosa com um soporífero forte. Temos que nos ouvir… e lembrar quem de direito. Não é necessário nada de especial basta percorrer os arquivos da história.

3.      Havendo quem expresse ajuda e falhe …  e sendo do conhecimento de todos existem pessoas – o tal da alcunha - que conseguem assumir determinadas opções de intervenção, expressar o seu voto para as legitimar, ser informadas constantemente da sua evolução com ratificações e depois negam a sua cumplicidade e intumescem os factos dando-lhes um cunho fraudulento e de gravidade extrema. Havemos de verificar novamente a história e confirmar com alguns dos candidatos a sufrágio no dia 1 de outubro o que nos tem também para declarar. Muita coisa vai ser desmistificada.  
4.      … … …  

5.      Não há nada como falarmos perante os cidadãos da nossa comunidade. Estou disponível para todos os debates que forem necessários.  

domingo, 23 de abril de 2017

"Contidos" como os dias da semana...

Sou candidato à Freguesia das Lavegadas como independente “associado” a um Partido Politico por duas razões:
1.       Não ter capacidade financeira nem espaço logístico para me apresentar condignamente.
2.       E faço-o no CDS-PP pela grande amizade e comunhão de pontos de vista que me unem ao Filipe Santos da Moura Morta em relação à nossa Freguesia.
Ao apresentar a minha candidatura não a faço contra ninguém nem a enraízo no meu passado de autarca tanto como Membro da Assembleia ou como Presidente da Freguesia de Lavegadas.
Orgulho-me desses tempos. Honra-me esse passado. As Eleições falam por si. As palavras proferidas e os registos políticos e públicos mais as noticias publicadas que narraram a minha postura como autarca sobrevivem a muitas omissões e desacertos. Falarei desses tempos, se questionado. E partilharei com todos as cumplicidades que assumi.
Quero agradecer à equipa que me acompanha nesta missão pela confiança e pela sua partilha de conhecimentos em prol das Lavegadas. São pessoas com provas dadas na vida pública e com postura cívica.  
Farei uma candidatura sem grandes espalhafatos visuais ou sonoros.  Agirei com a tranquilidade de quem pretende ser útil e se disponibiliza para despertar consciências em relação ao presente e ao futuro. Estarei disponível para todos os debates que tenham a ver com as Lavegadas. E estimularei a seguir esse caminho quem tem responsabilidades politicas sobre a nossa situação actual.
Não vou mudar a minha conduta para cativar e angariar adeptos para a nossa causa, destituindo-me dos meus princípios intelectuais e cívicos. Fui um Presidente constante e presente com obra feita e afectos semeados… e afastei-me sem nunca deixar de ter um olhar sobre as Lavegadas, porque me tornei um cidadão normal de bem comigo mesmo e de consciência tranquila. Não percorro o Facebook a plantar “gostos” por ali e por acolá para dizer que me preocupo ou estou atento com intuito do “engodo” ao voto. Nem tão pouco tive ou tenho dois pesos e duas medidas a tratar as pessoas que residem nas Lavegadas. Criando dois géneros de cidadãos/eleitores.
Apresentaremos o nosso programa eleitoral, e sobre ele conversaremos. E os eleitores decidirão. A nossa missão será uma missão descontraída, mas responsável. Não pretendemos obter protagonismos estéreis ou descabidos. Sabemos viver em democracia e sabemos respeitar o espaço da diferença. Sabemos aproximar opiniões e fomentar convergências que tenham a haver com os habitantes das Lavegadas.

Mas o que para nós é mais fácil de interpretar é o seguinte: - estaremos aonde o eleitorado pretender, “circunscrevidos” pelos resultados.

domingo, 9 de abril de 2017

... já zurzem. É bom sinal!

Durante doze anos frequentei assiduamente a Freguesia de Lavegadas. No cargo de Presidente da Freguesia fi-lo com empenho, dedicação, paixão e imenso amor. Na cessação de funções. passei a frequenta-la com assiduidade no seu terreno mais sagrado - aonde repousa o meu querido e amado Pai. Sem sobranceria, mas muito discretamente como um mero cidadão deste concelho. Passaram-se alguns anos e eis que me decidi tornar a candidatar à Freguesia de Lavegadas com independente. E eis que uma ex-assalariada do Jornal "O Poiarense" lembrou-se de dar o mote e começou a zurzir disparates sobre a minha presença na Freguesia. A mesma que a soldo do "grande líder" tudo tentou para boicotar um Projecto que foi elogiado por inúmeras individualidades e instituições deste país inclusive pela Direcção Regional de Educação do Centro. E que acabou com a minha saída…  (Se for preciso lembrar algo mais, existe substância suficiente para elucidar quem na ouve como “a fonte da verdade”. 
Infelizmente muitas das vezes a indiferença é o melhor remédio e o desprezo o melhor conselheiro.
Quanto à minha candidatura ela não representa mais que a minha disponibilidade para ser útil aos cidadãos das Lavegadas. 
O curioso é que de certo modo me apresentei da mesma maneira que o fiz em 1993.
Vou com a humildade de expressar as nossas ideias, ideais, convicções e realidades. Faço-me acompanhar de uma Equipa forte, capaz e acima de tudo conhecedora da nossa especificidade.

Parece que existem  mais duas ou três coisas para serem desmistificadas, mas isso guardarei para aquando dos debates.  

segunda-feira, 27 de março de 2017

Um afecto do coração por uma causa nobre

Para esclarecer alguns distraídos, esclareço que a minha candidatura à Freguesia de Lavegadas tem um propósito, um desígnio, uma causa, uma certeza e uma probidade sentimental. Sei das dificuldades que nos aguardam, mas estamos conscientes da mensagem que representamos como Equipa.  Todos temos experiência autárquica e muito em particular consciência da especificidade das Lavegadas.
Tudo pode acontecer. E uma pessoa que se disponibiliza para ser rosto e voz de alguém está consciente que a democracia pode-lhe proporcionar duas causas de intervenção: - a voz aliada à atitude de determinar, propor e prescrever e a voz cúmplice à postura de incentivar, colaborar e denunciar.  E ambos os resultados são a expressão da vontade popular.
Não sou um novato nestas andanças, não tenho nada a provar a ninguém – dos meus “contrastes” … - nem tenho nada a evidenciar para assumir protagonismo.
Tenho um passado politico que fala por mim e reconhecido por todos.
Existem momentos na vida em que não podemos ter receio de expressar as nossas profundas divergências. As Lavegadas vivem o seu dia a dia sem repensar o seu presente e sustentar o seu futuro.
O propósito está consumado. E agora serenamente e com a tranquilidade que se requer, daremos vida aos outros factores mencionados. Transmitiremos a nossa mensagem. Demonstraremos o que nos separa e faz divergir. E inclusive unificar ideias naquilo que nos pode fazer convergir em prol das Lavegadas.
Sou um acérrimo defensor de debates públicos nos nossos Centros de Convívio, na Sede da Freguesia, nas rádios, na imprensa escrita e nas novas plataformas de comunicação, porque pretendemos que não restem duvidas ao eleitorado das Lavegadas. Inclusive estou disponível para outros debates… 

quarta-feira, 22 de março de 2017

... dois escritos como cidadão. O pó que sobra do EUCALIPTAL!

Dia 19 de março pelas 18H,57M, toca o meu telemóvel – numero que não conhecia. Atendo e do outro lado identifica-se Pedro Coelho. Perguntou-me se eu não me importava de falar com ele. Disse-lhe que não… expliquei-lhe aonde moro. E num ápice apareceu. Apresentou-se como o candidato do PPD/PSD ao Município de Vila Nova de Poiares. Confirmou se eu me ia candidatar às Lavegadas. – Repliquei que é essa a minha intenção. Elogiou o fragmento do meu Blogue sobre “Um de dois escritos como cidadão “O EUCALIPTAL” … “…só faltou colocar o gosto”. “E embora não me “entenda” …, mas me inclua…” propôs-me candidatar-me a Santo André pelo PPD/PSD. “Que seria um excelente candidato pelo meu trajecto autárquico…”  Obviamente que lhe disse que não. Que não me revejo num partido que ainda alimenta uma coutada de afeiçoados e subjugados a um homem sem remissão politica. Das muitas e inúmeras aleivosias politicas dos seus últimos anos de reinado, quando menos deveria falhar cometeu o seu maior pecado politico: - a obstinada teimosia em impingir um candidato sem dar ouvidos às bases do partido e às inúmeras sondagens realizadas para as eleições autárquicas de 2013.
Que ele, Pedro Coelho, para ser candidato com temperamento próprio deveria ter feito a purga que se exigia entre a desastrosa e escandalosa derrota e o actual período eleitoral. Era necessário alguém convictamente arreigado nos ideais do partido pedir responsabilidades e varrer dele quem o usurpou e manipulou a seu belo prazer…
Perguntei-lhe pelo ex-presidente. - “ele ainda é o presidente da concelhia porque não gosta de abandonar nada a meio, vai até 2018 …”esclareceu.
Fiquei a saber – já desconfiava – que existe uma alma parda na sede do PPD/PSD. Foi para mim a irritação de este despropositado convite e da pouca vergonha que ainda paira nalguns apaniguados que me fez rebobinar algumas agruras que sofri do grande líder e da ameaça que sofri para não me recandidatar em 2005 “porque não ia terminar mais nenhuma obra e quem sofria as consequências era o povo da Freguesia das Lavegadas”. Escolhi sair sem grande espalhafato em prol da população que me deu a honra de ser seu rosto e voz… Como exprobração equacionei uma candidatura ao Município de Vila Nova de Poiares. Sendo o meu querido e  saudoso amigo Carlos Coelho a primeira pessoa que me incentivou. Estava comigo.  Tal candidatura não foi por diante por não ter capacidade económica para me candidatar como independente.  
Por fim fiz-lhe lembrar o dia em que o PPD/PSD poucos dias antes das eleições de 2013 homenageou todos os seus autarcas, e ele vendo-me, no auditório do Centro Cultural de Poiares a acompanhar a minha Mãe para receber o “prémio” relativo ao meu falecido Pai, chegou-se ao pé de mim muito embaraçado e afirmou: - “que se tinham esquecido de mim.” Afirmei que estava ali somente para acompanhar a minha Mãe e nada mais... (Este episódio está relatado no meu Blogue)
Ponderei bastante omitir este contacto mas se o fizesse era conivente com a forma mais execrável que determinadas pessoas usam para  subestimar, desautorizar, negligenciar  e apatanhar  alguém quando estão na mó de cima e têm as costas quentes.  
Aproveitei e enviei-lhe uns recaditos para o seu mistagogo.
Quanto ao seu trajecto politico será o reflexo do pó que fica do Eucaliptal.
Havendo um declarado não do CDS-PP para haver uma coligação, parece-me pelo que ouço nas ruas que só lhe falta pedir coligações aos pequenos partidos da geringonça.   

É com bastante magoa que tomo esta iniciativa mas quem não se sente não é filho de boa gente.